17 de setembro de 2010

Convênios Odontológicos

Eis o assunto mais controverso da odontologia: Convênios Odontológicos.

Eu nunca tinha escrito sobre convênios no blog, nada a sério pelo menos. O blog sempre mostrou minha visão otimista da odontologia e convênios nunca entraram nesse âmbito. Porém ultimamente o assunto Futuro da Odontologia tem estado em voga nas rodinhas de dentistas, pelos seguintes motivos:


São três notícias no mínimo interessantes. Uma rede de clínicas que cresceu, encheu os olhos de muita gente, criou muita polêmica, foi comprada por milhões, vendida por um dólar e agora parece que fechou para balanço, atrasa pagamentos e deixa os pacientes na... Bom, nem vou terminar. A outra é o avesso. O setor de convênios odontológicos está em expansão ao ponto de encantar investidores do maior banco estatal do Brasil. Isso mesmo, aquela gente engravatada que a gente vê na TV, que provavelmente tem tem medo de dentista, resolveu prestar serviço odontológico, é mole? E a terceira é a mais curiosa: um dos donos de uma das maiores redes de clínicas odontológicas resolveu diversificar os negócios, será que ele também está vendo o horizonte nublado para os dentistas? E os convênios com isso? Continue lendo :-)

Eu vejo alguns caminhos para o cirurgião-dentista peão de mocho como eu. Continuar aperfeiçoando e tocando o trabalho de forma honesta e ganhando pacientes por indicação, aos poucos, ou estudar uma dessas franquias que prometem faturamento de 50.000/mês sem esforço e, ou continuar tocando o trabalho e tentando aumentar o volume de atendimento a partir de convênios. 

Pois bem

Ontem recebi visita para uma conversa entre eu, meus colegas da clínica, o vendedor de planos odontológicos (o cara que vende para o público) e o representante da empresa (o cara que contrata nossos serviços). Conversa longa, cada um expondo seus pontos de vista de forma tranquila e realmente tentando uma união em que todos ganhem, principalmente os pacientes, claro. Já Já volto à conversa.

Entenda o raciocínio da relação Pacientes-Convênio-Dentista:
O paciente contrata o convênio pagando-lhe uma mensalidade. O convênio contrata o dentista pagando-lhe uma mixaria certa quantidade por volume de trabalho. O dentista que trabalha bastante ganha um trocado valor proporcional ao quanto trabalhou. Quem trabalha mais ganha mais. Para trabalhar bastante tem que ser rápido. Quem é rápido ganha mais. A conta está quase fechada, falta apenas um detalhe: qual o mínimo que se pode receber para fazer o suor debaixo das luvas valer a pena? 

Voltando à conversa com o pessoal do convênio
Em nossa conversa franca expliquei que meu estilo é trabalhar com alta qualidade e bem ligado na parte financeira, o que encheu os ouvidos deles pois eles queriam exatamente alguém engajado e que pudessem vender com facilidade. Porém o alta qualidade no meu caso inclui intervalo entre consultas maior, para poder conversar e dar atenção máxima aos clientes e uma taxa de atraso quase zerada, o que impede consultas muito próximas umas das outras. Assim o convênio serviria para mim sem problema, desde que me remunerasse sem atrapalhar meu trabalho.

Claro que a remuneração do convênio era ridícula
Eles queriam me pagar valores pífios. Como exemplo na tabela deles tem "fechamento de diastema" e eles pagam incríveis 25 reais. É de chocar. Uma radiografia: 3 reais. Uma classe IV: 23 reais, inclui forramentos, viu? Faça uma radiografia antes e outra depois, assim ganha mais 6 reais!!

Pergunto, é possível trabalhar assim?
Eu mesmo respondo: É! E o pior que é possível sim e muita gente trabalha. Mas como? Por essa montanha de dinheiro é possível fechar um diastema se o fizer em 30 minutos entre o oi e o tchau, usar resina barata (não disse ruim, disse barata), dar o polimento mais rápido que conseguir e rezar pra Santa Apolônia para que o paciente não reclame da cor nem da rugosidade, que não descole na primeira maçã mordida, etc.
Ou seja, o trabalho com convênios exige:
- Rapidez
- Custo baixo
- Organização
- Pouca ou nenhuma atenção ao cliente
- Público pouco exigente

Pelos 25 reais da classe IV ou do diastema dá pra moldar com silicone, fotografar para consultar postura do lábio, proporção do rosto, etc, encerar de forma proporcional, fazer guia para escultura, mock-up, usar resinas de alta e baixa opacidade, resinas especiais para garantir lisura, efeitos, fazer textura e ainda pedir para o paciente voltar outro dia para conferir a cor real e dar polimento? Não dá.

Aí vem o lance que todo mundo sempre fala: o dentista tem que escolher o público. Se quer trabalhar rápido e ganhar no volume talvez o convênio seja a solução. Não é meu caso, como disse lá em cima eu prefiro trabalhar com calma, consciência tranquila, materiais excelentes, técnicas bem estudadas. Assim quem pensa como eu tem que escolher quem valoriza um trabalho de excelência e paga por isto nem que seja em suaves prestações. Não estou dizendo que devemos escolher classe A ou E, não é isso, tenho muitos pacientes muito simples, gente assalariada, que me paga direitinho, valoriza meu trabalho e faz propaganda pra todo mundo, tudo porque eu o tratei de forma diferente da que estava acostumada.

A dica é: Faça sua escolha de forma consciente do que precisa para poder trabalhar. Escolher errado e reclamar depois não adianta pra nada.

Forte abraço a todos!


13 comentários:

Dentista em apuros!! disse...

Ola, Ricardo. Você reportou bem o que é trabalhar com convênios. Acredito que o sonho de odo cirurgião-dentista é poder trabalhar em condições ideais como as que você e ser bem remunerado pelo que faz. Infelizmente aqui em Salvador, Bahia trabalhar com convênio é a realidade da grande maioria dos odontólogos, os pacientes particulares são uma raridade. Para você ter idéia um convênio local REDUZIU tabela de honorários que era acordada no mês de dezembro de 2009. Entre reuniões na ABO, CFO e SOEBA foi decidido realizar uma paralização de uma semana ao atendimento a este convênio. Eu trabalho em duas clínicas em bairros bons aqui em Salvador, mas que tem este bendito convênio como carro chefe; e para você ter noção uma delas simplesmente não abriu nesta semana, por não ter demanda de pacientes e a outra funcionou menos da metade do expediente diário. Estou muito decepcionada com a situação da Odontologia aqui na minha cidade, mas continuo seguindo os princípios éticos em detrimento à remuneração, que acaba sendo baixa, afinal a saúde e o bem estar do paciente rtem que estar acima de tudo. Mas bem que a classe poderia se unir, como fazem os médicos, para buscar uma remuneração digna para o nosso trabalho.
Ediane.

Leo Augusto disse...

Oi Ricardo!
Ótimo post!

"Faça sua escolha de forma consciente do que precisa para poder trabalhar. Escolher errado e reclamar depois não adianta pra nada."
Aqui você falou tudo!

Penso como você: gosto de trabalhar com calma, sem atrasos ou/e correrias.

Eu não trabalho com convênios, porque, simplesmente, não sei trabalhar com eles.
E sugiro quem trabalhe, ler sobre 'margem de contribuição"...
Abraços

Ricardo FP disse...

Obrigado pessoal que leu até o fim, hehe!
Ediane, essa de reduzir a tabela foi incrível. É realmente não se importar com quem carrega o convênio nas costas...
Obrigado pela sugestão Leo!

Abs!

Flavio disse...

Caros Colegas, sou um Dentista que largou a cadeira e ensino Dentistas e outro profissionais da Saúde a fazer conta e calcular a hora clínica. Com relação a convênios, a conta não fecha... Meu trabalho é um pouco trabalho de formiga.... nos meus cursos provo para os colegas que fazer resina por 23 ou menos(!!!!!) não paga os custos quando bem calculados.... O grande problema da nossa Classe é que não sabemos fazer contas e os caras das operadoras de planos descobriram isso e fazem o esquema topa tudo por dinheiro....
Flavio Alves Ribeiro - CD
flaviodentesenumeros@gmail.com

Flavio disse...

Caros Colegas, sou um Dentista que largou a cadeira e ensino Dentistas e outro profissionais da Saúde a fazer conta e calcular a hora clínica. Com relação a convênios, a conta não fecha... Meu trabalho é um pouco trabalho de formiga.... nos meus cursos provo para os colegas que fazer resina por 23 ou menos(!!!!!) não paga os custos quando bem calculados.... O grande problema da nossa Classe é que não sabemos fazer contas e os caras das operadoras de planos descobriram isso e fazem o esquema topa tudo por dinheiro....
Flavio Alves Ribeiro - CD
flaviodentesenumeros@gmail.com

Ricardo FP disse...

Essa é a grande motivação deste blog, mostrar que trabalhar por pouco não compensa, melhor vender picolé na praia (nada contra picolezeiros, viu?!)

Ricardo FP disse...

Aliás, Flávio, você jpá foi citado neste blog! http://odontologiaefinancas.blogspot.com/2009/03/texto-de-flavio-alves-ribeiro.html

Gabriela Marques disse...

Olá Ricardo! Sou estudante do 10º período da Faculdade ASCES de Caruaru -PE e gostaria muito de parabenizar pelas postagens pois elas, para nós estudantes, esclarecem muito as eternas dúvidas amenizando assim a nossa ansiedade e até mesmo o medo do pós-faculdade. Eu também tenho esta visão de trabalhar bem e com qualidade e creio q se todos nós, Dentistas, tivéssemos este raciocínio nossa classe n seria tão desvalorizada quando se é comparada a classe médica. Acredito na odontologia sim, é minha paixão desde criança e espero viver bem através dela. Grande abraço!

Ricardo FP disse...

Obrigado Gabriela! Eu não recrimino quem pensa diferente de mim, cada um tem sua história e suas necessidades. Eu tive a possibilidade de pagar pra trabalhar um tempo e hoje colho alguns frutos dos meus quase 6 anos de trabalho no consultório. Várias vezes, mas várias mesmo, pensei em fazer diferente, buscar outras formas de trabalho e até outra área, mas a gente vai trabalhando e as coisas vão acontecendo. É o que falei no texto, tudo depende das escolhas que fazemos...
Boa sorte na facul e depois na profissão!

Bisel Chanfrado disse...

Realmente acredito que o futuro desses grandes comglomerados de empresas investindo em convênios odontológicos será igual a Imbra. O custo realmente não bate: pra quem pretende trabalhar 2 ou 3 anos com volume é preferível abrir uma clinica barata (também não disse de má qualidade, apenas com material barato) cobrando no mínimo o dobro do que o convênio paga do que ser escravos deles.

p.augusto disse...

Boa,colega!
Veja como os convênios odontológicos se tornaram muito importantes para investimentos empresariais, tanto que virou moda= Banco do Brasil compra a ODONTOPREV.
Deveríamos nos unir em torno de reivindicar aos políticos, ao menos aos políticos representantes da área/saúde que não se comportem como reles "bedel" e apresentem projetos de lei no sentido de obrigarem os empresários que exploram essa área a tratarem os cirurgiões-dentistas com mais respeito e não nos explorarem dessa forma.
1 abraço
Paulo Augusto

Rogerio disse...

Gostei muito do exposto pelo seu Blog. Eu trabalho com 3 convenios. E eu explico para o paciente que o meu material e diferenciado e preciso cobrar por isso (50 reais por dente restaurado).Vc e todo mundo sabe que odontologia ,60% do nosso sucesso esta relacionado ao material que usamos.E que nos facilita muito trabalharmos com um material bom.Ou seja tudo que envolve gasto de material ou protetico cobro a mais.
Um amigo falou que o convenio pode me descredenciar.Vou ficar muito chateado!RSRSRSRS.
Mas pelo menos trato bem meu paciente , dou atencao e faco um trabalho melhor.

obs: desculpe pela falta de ortografia, mas estou usando um Laptop importado sem acentuacao.

La disse...

Concordo com voce. Ja trabalhei com convenio e os pacientes são exigentes e infelizmente, trabalhar com convênio é sinônimo de agenda cheia e bolso vazio. Realmente não acho que vale à pena...Mas,infelizmente,enquanto tiver dentista achando que vale a pena receber 25 reais por restauração,a odontologia ficará complicada...Mas,mesmo assim...Sou fiel ao que penso. Como odontopediatra,tenho certeza que pelo mesmo valor,e sem sombra de dúvida prefiro atender cinco crianças por dia particulares, a atender vinte pelo convênio,recebendo o mesmo valor...

Postar um comentário

Não se esqueça! Respeito sempre é bem vindo :)